Por Patrícia do Carmo Miranda, Orientadora Educacional da Educação Infantil e Ensino Fundamental I, Unidade Floresta.

 

A Pandemia do COVID 19 e o isolamento social viraram uma realidade não planejada para centenas de famílias. As ruas estão vazias, as casas cheias e ainda não sabemos quando voltaremos para nossa velha rotina, ou talvez, nossa rotina renovada?

Ao contrário do período de férias escolares, no qual podemos nos organizar e planejar atividades diversas, inclusive externas, estamos “trancafiados” em casa com crianças dotadas de muita energia e pouco entendimento sobre o período vivenciado.

Essas crianças de 08 a 11 anos, já são capazes de captar as informações do ambiente por si próprias e estão sempre muito ligadas. Sua vida psíquica está muito atrelada ao “SENTIR” sensações e emoções.

Já conseguem perceber seus próprios sentimentos e os desvinculam, pouco a pouco, dos sentimentos de seus pais. Assim, o suporte de um adulto é de extrema importância ao oferecer equilíbrio em sua maneira de pensar e agir, pois nesse momento de recolhimento social, sugerimos algumas dicas e cuidados que entendemos ser benéficos para auxiliá-las no dia a dia.

Ouça sem julgamentos o que eles sabem sobre o assunto:

Nessa fase, as crianças têm muita necessidade de serem ouvidas e compreendidas. Procure ouvi-las de coração aberto e sem julgamentos, assim você compreenderá melhor a situação.

Acolha e monitore os sentimentos e emoções de seu filho:

A criança nessa fase, apesar de já compreender tudo que se passa ao seu redor(já sabe ler, se conectar as redes sociais), não consegue ainda lidar com as emoções advindas dessa enxurrada de acontecimentos. Nesse momento, é importante que você acolha, ouça, explique o necessário e esteja confiante de que tudo isso irá passar, nutrindo a esperança de dias melhores.

Restrinja o acesso às informações:

Apesar de parecer crescida e independente, a criança nessa idade, encontra-se em processo de desenvolvimento, principalmente emocional. Portanto, cuide do conteúdo acessado por ela, restrinja o uso de celulares e evite assistir ou comentar qualquer assunto na sua frente. Busque ofertar informações e conteúdos importantes a sua formação.

Prime pela atenção e afeto:

Esteja presente fisicamente e psicologicamente pelo maior tempo que puder. Brinque junto, toque seu filho, incentive-o a se expressar. Tenho certeza de que fará muito bem para ele e para você também.

Por fim, nesse momento de tantas tensões e incertezas, estar ao lado dos filhos e ressignificar as relações, pode ser um motivo valioso para sairmos mais fortalecidos dessa inesperada realidade.

Então…cuide de você, de sua família, do seu entorno, que em breve, tudo isso passará!

Deixe uma resposta

Atenção! Todos os comentários serão previamente moderados pelo administrador antes de ser publicado oficialmente na página.

Mais em "Blog"

Medo, medinho ou MEDÃO

O medo é um vilão? Apesar de ser uma sensação ou uma experiência tensa e desagradável, a falta dele pode nos deixar em perigo, e

Leia Mais »